A chave para um convívio saudável no seu condomínio está na comunicação!

O ser humano é comunicativo. Para além dos sons emitidos pela laringe, tudo comunica. O tom da voz. Os gestos das mãos. As expressões faciais. As roupas. É na comunicação, também, que surgem os conflitos. Ou melhor, na sua falta de clareza e excesso de julgamento. A forma como nos comunicamos com os outros pode determinar nossos relacionamentos e suas qualidades.

No convívio em condomínio não é diferente. Saber se comunicar com clareza, empatia e transparência pode evitar conflitos desnecessários. É onde entra a Comunicação Não Violenta, metodologia criada, em 1970, pelo psicólogo norte-americano Marshall Rosenberg.

A CNV é um aprendizado constante e aprimorado com a prática. É um caminho para o autoconhecimento e relacionamento mais empático. É uma maneira de compreendermos o outro e nos fazermos compreendidos.

Listamos os 4 passos para uma Comunicação Não Violenta.

Aplicá-los no dia a dia do seu condomínio pode ser a diferença que faltava para transformar os conflitos em oportunidades de crescimento conjunto.

1. Observação: aprenda a observar os fatos separadamente, procurando evitar julgamentos e preconceitos. Tente olhar para a situação como se não estivesse envolvido nela. Preste atenção, também, em você e no que pode ter motivado o conflito.

2. Sentimento: esse é o momento de compreender como você se sentiu em relação a situação. Quais sentimentos foram despertados? O que eles podem representar?

3. Necessidade: é a hora de exercitar a empatia. Procure se colocar no lugar do outro e mostrar que compreende seu ponto de vista, concordando ou não. Entender não é concordar. Procure enxergar o impacto da sua atitude no outro e em si mesmo. Vale lembrar que necessidade não é a mesma coisa que interesse. Nem sempre a nossa vontade é a correta. Esteja aberto a ceder.

4. Pedido: claro, transparente e direto. Perceba as reais necessidades que a situação requer e, com gentileza, comunique-as. O mais importante: esteja preparado para receber um sim ou um não.

Em qualquer situação, principalmente no convívio entre condôminos, síndicos e prestadores de serviço, é importante perguntar. Cada um carrega uma bagagem emocional que desconhecemos e, muitas vezes, palavras agressivas podem ser uma expressão de um pedido de ajuda, de uma sobrecarga. Tente escutar a necessidade do outro através das suas palavras.

Ficou na dúvida de algo? Pergunte. Se sentiu ofendido em algum momento? Fale.

Conflitos são inevitáveis. O que podemos controlar é a maneira com a qual lidamos com eles. Viver em um ambiente de harmonia e cooperação é muito mais gostoso – e saudável!

Se os seus conflitos são decorrentes de inadimplência, aqui vai um bônus: chama a gente! Nossa alegria é descomplicar a sua vida!